domingo, 24 de agosto de 2014

Conversa, domingo, 24 de agosto 2014

Hoje, voltei de uma viagem para mim longa (10 dias) por três estados (GO, DF e MG). Hoje, domingo, minha celebração eucarística foi participar da celebração dos 30 anos de ministério de Félix Filho, um padre anglicano que foi do meu grupo de jovem e do qual eu tive parte importante na primeira formação cristã. Somos amigos há mais de 40 anos. A celebração foi no salão do edifício no qual ele mora. Umas 50 pessoas entre parentes, amigos e pessoas da comunidade que atualmente ele acompanha. Ali se respirava uma ânsia pela unidade das Igrejas, mas ainda com o cheiro das divisões. Fiquei com ele no altar e comunguei, mas como peço a Deus que esse sinal não seja apenas meu e sim de toda a Igreja de Deus, tanto Católica, como Episcopal Anglicana, ainda tão voltadas sobre si mesmas e sobre os seus dogmas e costumes. 
       Dom Sebastião Soares, bispo emérito que recebeu Félix e validou o seu ministério para a Igreja Anglicana, fez uma excelente meditação sobre os textos litúrgicos desse domingo, partindo do salmo 138 - louvar a Deus que é tão grande, mas olha os pequeninos - o texto de Isaías 51 e Romanos 11, assim como o evangelho Mateus 16, 13 ss. Gostei e aprendi muito. 

sábado, 23 de agosto de 2014

Conversa, sábado, 23 de agosto 2014

   Depois de uma semana de atividades no Centro-oeste, estou em Belo Horizonte, onde participo hoje da celebração eucarística pelo aniversário de 70 anos de frei Betto, meu irmão e amigo desde a juventude. Fiz um esforço grande para vir aqui e estar presente, mas faço questão disso, primeiramente para sempre privilegiar as relações de amizade e comunhão gratuita e não as de trabalho. Além disso, é uma forma concreta de agradecer o tanto que, ao longo de tantos anos, tenho recebido dele como testemunho de fé e de profecia, assim como tenho aprendido nos tantos encontros que tivemos e temos, seja no grupo Emaús (nosso grupo de teologia), seja em atividades de Cebs e outras. Não tenho e não cobro de mim o carisma que Betto tem para a dimensão política, a capacidade de análise e a clareza de opções (nisso, o acho genial). Não tenho o tato dele para as relações com gente de poder. Tenho alguns contatos de amizade, mas não sei cultivar isso e me aceito como sou. Assim como ele, me sinto viciado em escrever. Desde adolescente, peguei esse vício e não consigo me libertar dele. Escrevo quase sem parar e isso no meio de viagens, de compromissos pastorais, de doenças, de tudo. Betto também é assim. Também como ele, eu tenho como missão que amo muito acompanhar grupos de leigos na espiritualidade. Ele tem mais do que eu. Penso que acompanha grupos em Sao Paulo, no Rio e em BH. Eu tenho um grupo no Recife (atualmente o grupo da partilha que era de Dom Helder) e um em Brasília. Além disso nós dois acompanhamos sempre que nos é pedido, o MST e outros movimentos sociais. 
         Esse aniversário de Betto é para mim ocasião de me estimular na missão. Daqui há poucos dias, estarei viajando para pregar o retiro da prelazia de São Félix do Araguaia. Deve ser a sexta ou sétima vez que faço isso ao longo dessas décadas. Mas, agora já há uns cinco anos, não voltava lá. A última vez foi em 2008. Voltei com pneumonia, depois de viajar três horas de barco no rio Araguaia e na chuva. Dessa vez, sei que deverei ir de carro em estrada de terra de Palmas até Sta Terezinha. É quase todo um dia de viagem. Depois cuidarei dos meus pulmões que têm insuficiência respiratória. Agora, é momento da missão e basta. Vou me preparar bem para não ficar doente. E conto com a força do Espírito Santo. 
       

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Conversa, quarta feira, 20 de agosto 2014

        Hoje, li uma oração de Atenágoras, patriarca de Constantinopla, na época do Concílio Vaticano II. Dizia: "Senhor, hoje eu sei que a nossa maior luta é a luta interior de cada um/uma de nós consigo mesmo/a. Durante toda a minha vida, tenho travado essa batalha. Não posso dizer que a ganhei, mas posso ver algumas conquistas. 
                  Atualmente, me sinto mais em paz. Não tenho medos e nem me sinto ameaçado por ninguém. Não tenho mais cobranças sobre as pessoas e nem preciso o tempo todo de me justificar. Abro mão dessa mania de ter razão. Quero apenas viver a comunhão contigo e ser sinal para os outros do teu amor e de tua compaixão". 

domingo, 17 de agosto de 2014

Meditação bíblica, domingo, 17 de agosto 2014

Hoje, a Igreja Católica celebra a Assunção da Sta Virgem Maria. Assunção é o termo usado para a crença de que Maria foi levada ao céu em corpo e alma. É um dos últimos dogmas proclamados pelo papa e não é ecumênico já que essa crença não está na Bíblia e não era aceita nem por todos os antigos pais da Igreja. De todo modo, é um destino de todos nós: sermos associados a Deus, assumidos por Deus. E nesse sentido, a Assunção de Maria não começou na hora em que ela morreu. O Evangelho mostra que já na visita que ela fez a Isabel ela viveu esse processo. A vida toda se elevando, subindo, acolhendo a graça divina para assumir em Deus o que há de melhor de si mesma. Nós também somos chamados a viver isso. Temos em nós uma parte menos boa do nosso ser. Deus nos dá o seu Espírito para assumirmos todo o nosso ser, corpo e alma, mas para fazermos evoluir, crescer, subir o melhor do que há em nós mesmos e no outro. 

sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Conversa, sexta feira, 15 de agosto 2014

Estou na Cidade de Goiás, onde morei por 33 anos e onde era o meu mosteiro. Agora, a Fraternidade leiga que coordena o antigo mosteiro me pede para coordenar um retiro para um grupo de leigos e leigas sobre espiritualidade ecológica. É um grupo de doze a quinze pessoas. Talvez amanhã chegue mais gente. Hoje, à noite, depois de uma oração inicial, lancei a pergunta para partir da realidade de cada um/uma: Na minha vida pessoal e no meu caminho de fé como tem se manifestado (ou não) essa espiritualidade ecológica? 

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Conversa, quarta feira, 13 de agosto 2014

O Brasil está chocado e de luto com a tragédia da morte de Eduardo Campos, ex-governador de Pernambuco e mais seis pessoas em um avião que caiu sobre uma área residencial em Guarujá e matou a todos. Esse acontecimento triste nos pega de surpresa e nos faz pensar na fugacidade e fragilidade da vida. No plano político, discordava das posições de Eduardo e nunca o admirei como político. No entanto, como ser humano me sinto triste e solidário com a família dele. A esposa com filho pequeno e com problemas especiais de saúde. Rezo por eles. Deus lhes dê força para suportar a dor dessa partida e para prosseguir o caminho e possam contar com a ajuda dos amigos, companheiros e das pessoas, em geral. 
   

terça-feira, 12 de agosto de 2014

Conversa, terça feira, 12 de agosto 2014

           O que marcou, hoje, o meu dia foi ter participado pela manhã do encontro do Fórum Diálogos para a Diversidade Religiosa. Para mim, é duro escutar o relato de discriminações e perseguições ainda sofridas em Pernambuco, mas sabemos que, em todo o Brasil, pelas religiões de matriz africana. E o mais doloroso é saber que quem ataca e persegue não é ateu ou pessoa que é contra a religião em si. São justamente religiosos que, em nome de sua fé, perseguem crentes e comunidades de outras tradições. E no caso, as religiões das pessoas mais pobres e sofridas. 
          Sofro ao ver a Bíblia ser usada para esse tipo de coisas. O CONIC (Conselho Nacional de Igrejas Cristãs) divulgará nesses dias uma cartilha que escrevi sobre a Bíblia e outras religiões. Nessa cartilha, dirigida especialmente a irmãos e irmãs de Igrejas pentecostais, procuro mostrar como uma leitura justa e profunda da Bíblia nos leva a respeitar o outro e a aprender dele ou dela e não ao contrário... a condenar e perseguir em nome de Deus. 
           Fora disso, tive de corrigir e rever todo o meu texto para o curso de verão do CESEP (Sao Paulo) do próximo janeiro. O tema é para mim instigaste e desafiador: a sexualidade e a espiritualidade cristã. Escrevi um texto com o título de: "Tornar nosso corpo carente semelhante ao seu corpo glorioso". É uma palavra de Paulo na carta aos filipenses. O sub-título é "Integrar a sexualidade em nosso projeto de vida". 
           Escrevi penso quase umas cem páginas e tive de corrigir uma por uma. Mas, é bom porque assim revejo eu mesmo e me confronto comigo mesmo nesse caminho de me tornar mais semelhante a Jesus.