Blog Aqui vamos conversar, refletir e de certa forma conviver.

Conversa, sábado, 02 de julho 2016

Essa semana foi para mim marcada pela experiência de participar em São Paulo, junto com o jovem Jonathan Felix, meu irmão e amigo, da peça "O avesso do Claustro". A peça teatral, encenada pela Companhia do Tijolo, grupo teatral de São Paulo é dirigida por Dino Lima Flor, pernambucano de Tacaimbó e Rodrigo Mercadante, teatrólogo de Minas Gerais. Na mesma tradição de outras peças anteriores do grupo, também essa se centra em uma grande figura revisitada pelo grupo. Dessa vez, Dom Helder Câmara.

A peça relê a vida e a profecia de Dom Helder como mensagem para os nossos dias e especialmente para esse momento de crise política que vivemos no Brasil. Diversas vezes na peça, ouvindo histórias dos anos 60 até os anos 90, tempo do ministério de Dom Helder no Recife, temos a impressão de estar ouvindo algo dito diretamente para os nossos dias.

O grupo teatral é formado por doze pessoas, das quais nove são atores e os outros ajudam por trás das cortinas. Esse grupo é constituído por pessoas que todas cantam muito bem e a peça tem um estilo de musical. Além de algumas composições do próprio grupo, (belas e profundas), o grupo retoma as partes principais da Missa Luba, uma missa cantada em latim mas em ritmo africano que foi apresentada nos anos 60 e da qual Dom Helder gostava muito. Com esse fundo musical, ao vivo, durante quase duas horas, o grupo lembra cenas da vida de Dom Helder e diversos poemas e textos escritos em suas vigílias...

Fiquei especialmente comovido quando, em determinado momento da peça, uma das atrizes grita "Não deixe cair a profecia",  palavra que Dom Helder disse pessoalmente a mim e foi a última palavra que escutei dele, uns quinze dias antes de sua partida.

O avesso do claustro é principalmente uma bela e profunda celebração pascal. Tem os cânticos de uma missa, tem textos que nos falam do projeto divino para o mundo, têm um momento no qual o ator que faz o papel do Dom (Dino Lima Flor) lava os pés dos atores e de várias pessoas... E tem a comunhão - sopa e vinho...

Em um mundo no qual a mensagem de Dom Helder não é mais conhecida, a peça cumpre um papel fundamental e importantíssimo e todo o meu sonho é trazê-la ao Recife e ajudar o grupo a percorrer o Brasil com essa mensagem de Páscoa... 

Marcelo Barros

Camaragibe, Pernambuco, Brazil

Sou monge beneditino, chamado a trabalhar pela unidade das Igrejas e das tradições religiosas. Adoro os movimentos populares e especialmente o MST. Gosto de escrever e de me comunicar.

Informações

contato@marcelobarros.com